Neurocientistas filmam pensamentos pela primeira vez



Um grupo de cientistas japoneses obteve uma façanha curiosa ao gravar um vídeo em tempo real dos pensamentos formados no cérebro de um animal vivo enquanto caça sua presa. O trabalho foi realizado em uma espécie muito utilizada na pesquisa biológica, um peixe simpático conhecido como zebrafish e possivelmente pode mudar completamente a forma de se estudar e rastrear padrões cerebrais em criaturas vivas. 


Foi utilizada uma proteína chamada GFP que emite fluorescência e permite o acompanhamento de diversos eventos biológicos para estudo. Inicialmente isolada de uma espécie de água-viva, o gene para GFP é comumente incorporado em diversas espécies para pesquisa. Mesmo quem não trabalha na área já deve ter visto resultados obtidos com essa proteína em algum momento ao esbarrar em uma notícia ou fotos de animais fluorescentes como gatos, camundongos, porcos, macacos, sapos e segue a lista. Quem tiver curiosidade pode buscar por "gfp animals" no Google imagens que tem diversos exemplos.


Os pesquisadores tiraram vantagem também do fato de os zebrafish serem transparentes quando novos, permitindo o acompanhamento da GFP sem o uso de procedimentos invasivos. Sendo assim, criaram peixes mutantes que expressam GFP especialmente na área cerebral onde ocorre o processamento visual.


Zebrafish caçando um paramécio.
Agora é a hora em que a maioria dos não-biólogos começa a cavar na memória para desenterrar a imagem de um paramécio dos tempos de segundo grau (aqueles bichinhos com cara de sola de sapato cobertos de cílios). Esses seres são presa para os zebrafish e foram colocados juntos para a realização do experimento principal.


Quando o peixe observou o paramécio se movendo, padrões de luzes começaram a surgir no cérebro do zebrafish, indicando a atividade neurológica relacionada ao processamento visual. Ao mesmo tempo, quando o paramécio parava, o mesmo ocorria com a atividade neural. 


Moral da história: os cientistas puderam acompanhar o padrão de disparo dos neurônios relacionado a um comportamento específico. Os pesquisadores agora pretendem observar e mapear a atividade neural do cérebro inteiro, incluindo os padrões correspondentes ao aprendizado e ao pensamento. As implicações disso são difíceis de prever no longo prazo mas tendo em mãos o mapeamento desse tipo de padrões, além do entendimento que ele nos trás sobre os mistérios neuronais, pode permitir no futuro a indução de padrões específicos sem o estímulo em si. Quem sabe uma espécie de Matrix?


No vídeo abaixo está a gravação que os cientistas fizeram dos "pensamentos" do peixe. Parece uma coisa banal olhando assim mas essas luzes piscando tem mais significado do que aparentam...




Referências: Current Biology
Share on Google Plus

Sobre o Autor

Neurocientista cafeinômano envolvido com projetos que investigam a plasticidade sináptica. Nas horas vagas é abduzido por uma curiosidade extrema sobre as implicações do crescimento tecnológico exponencial que estamos vivenciando. Contato: luis.shgt@gmail.com
    Comentários
    Comente pelo Facebook