Implante biônico restaura parcialmente a visão de paciente



Dianne Ashworth possui uma doença degenerativa hereditária da retina chamada retinite pigmentosa, uma condição que leva à perda gradativa da visão. A progressão da doença já está num nível avançado e ela sofreu uma perda profunda na visão mas um novo implante está permitindo que esses danos sejam revertidos: Dianne recebeu um implante biônico.


“Eu não sabia o que esperar mas, subitamente, eu pude ver um pequeno flash... foi maravilhoso. Toda vez que havia estimulação um formato diferente aparecia na frente de meus olhos” disse a paciente.


O protótipo consiste de 24 eletrodos implantados na retina ligados a um conector atrás da orelha. Um sistema externo é conectado permitindo que os pesquisadores estimulem o implante de forma controlada para estudar os flashes de luz. Apesar de o dispositivo ainda não dispor de uma câmera externa, está nos planos do próximo estágio de desenvolvimento e teste da visão biônica. Além disso, futuramente os testes aumentarão o número de eletrodos para um implante de alta acuidade visual com 1024 deles.


O desenvolvimento dessa tecnologia é resultado de um projeto que reune pesquisadores de diversas áreas trabalhando juntos chamado BionicVision Australia. O objetivo é restaurar a visão de pessoas prejudicadas por doenças como a retinite pigmentosa e a degeneração macular relacionada com o envelhecimento.


Com o domínio e aperfeiçoamento da visão biônica a tendência é ir além da restauração e buscar formas de superar os limites da capacidade visual humana. Essa busca já acontece atualmente em áreas que necessitam de uma maior acuidade visual, onde algumas pessoas tentam melhorar a visão através de uma cirurgia chamada Lasik. O exemplo mais conhecido é o caso do campeão americano de golfe, Tiger Woods, que se submeteu ao procedimento que elimina imperfeições na córnea em busca de uma visão mais nítida.

Share on Google Plus

Sobre o Autor

Neurocientista cafeinômano envolvido com projetos que investigam a plasticidade sináptica. Nas horas vagas é abduzido por uma curiosidade extrema sobre as implicações do crescimento tecnológico exponencial que estamos vivenciando. Contato: luis.shgt@gmail.com
    Comentários
    Comente pelo Facebook